Papo de mãe

Família x Trabalho – Como encontrar um equilíbrio

Vida pessoal e vida profissional são duas coisas que andam juntas nos dias atuais. Porém, muitas vezes uma se sobressai à outra, transformando os nossos dias em um verdadeiro caos. Cada vez está mais difícil encontrar um equilíbrio saudável entre as duas. Mas é possível. Vem comigo!

Na imagem vemos uma boneca em cima de um teclado de computador.
Como encontrar um equilíbrio para o nosso trabalho e os nossos filhos?

Desde 2011 eu trabalho home office (de casa). Várias vezes eu mixei o trabalho entre presencial e home, mas basicamente trabalhar em casa é o que eu tenho feito há 7 anos. Eu adoro; sou muito organizada com os meus horários, adoro o fato de poder ir para a academia as 11 da manhã e poder curtir minha filha durante os períodos em que ela está em casa, gosto do fato de fazer reuniões com clientes via skype e whatsapp. Não preciso pegar trânsito, nem ficar em cima de um salto o dia inteiro, posso trabalhar com pessoas de qualquer lugar do mundo e faço o trabalho no horário em que eu achar conveniente. Ah, e tenho a oportunidade de receber algumas lambidas no pé do meu cachorro enquanto resolvo um monte de pepinos.

Mas trabalhar em casa também tem os seus perrengues. Muitas e muitas vezes eu precisei trabalhar até o dia clarear. Muitas e muitas vezes as pessoas acharam que meu trabalho não era tão sério assim, afinal eu fico em casa o dia todo. E muitas e muitas vezes eu simplesmente não conseguia encontrar um equilíbrio entre o meu trabalho e a minha vida pessoal. Ou eles ficavam tudo misturados (uma bagunça só) ou eu dava mais atenção à um do que ao outro.

Quando comecei a pensar a escrever este artigo, eu vim até a minha mesa e reparei como ela estava organizada (ou melhor, desorganizada). Em meio ao meu material de trabalho, eu topei com um animal e com uma boneca. Sofia deve ter passado por aqui hoje de manhã enquanto eu preparava uma mamadeira entre uma espiada e outra no computador. Eis minha visão:

Na foto vemos uma mesa de trabalho com um notebook, uma vela, um caderno, um kindle, e brinquedos infantis.

Tudo junto e misturado. Meu café (já frio), meu Kindle para a pesquisa, meu cliente atual aberto no computador e brinquedos pela mesa. Muitas vezes esse é o cenário da minha mesa de escritório.

Mas achar um equilíbrio entre família e trampo não é um desafio exclusivo para quem trabalha de casa. Acho que a maioria das pessoas passam por isso em algum momento da vida e da carreira. Tenho algumas amigas pesquisadoras que têm filhos pequenos ou que acabaram de se casar e que muitas vezes sentem-se culpadas por dar mais atenção à tese ou à dissertação do que ao marido e o filho. Por outro lado, tenho colegas que largaram a profissão para se dedicar exclusivamente à maternidade. Também conheço pessoas que faz longas horas extras – inclusive nos fins de semana – porque precisam garantir os seus empregos na empresa em que trabalham. Muitas vezes, essas mesmas pessoas não conseguem nem comparecer aos aniversários de família (e, acredite, isso não é tão incomum).

Se algumas vezes não conseguimos, em outras não temos (ou achamos que não temos) a chance de buscar um equilíbrio saudável entre os dois. Se precisamos do nosso emprego para sustentar nossa família, não temos muitas opções. Enxergamos esse dilema como um túnel escuro e sem saída, em que não sabemos para onde vamos, mas que temos que andar sem olhar para os lados. Não nos sentimos felizes, sentimos culpa e acabamos adoecendo em algum momento. Se dinheiro é essencial para ter uma vida confortável, estar ao lado de quem amamos preenche o nosso coração, nos traz alegria e nos proporciona paz. Mas, se um precisa do outro, o que fazer?

Eu procurei muito na literatura algumas dicas que podem nos ajudar quanto à isso. Vamos à elas:

  • Deixe, na medida do possível, o trabalho para os dias de semana

No livro O segredo da Dinamarca (LEIAM, porque é MARAVILHOSO!), a autora Helen Russell nos conta que os dinamarqueses são um dos povos que mais respeitam os horários de descanso do mundo. Quem fica até tarde no trabalho ou deixa de viver as experiências familiares por conta do serviço é visto com maus olhos. Isso porque na Dinamarca a família é considerada acima de tudo e de todos (veja-se a licença maternidade e paternidade, as festas tradicionais familiares, o estilo de vida hyggie, e assim por diante).

Mas como moramos no Brasil mesmo, existem algumas coisas que podemos fazer para dar uma esquecida do trabalho nos fins de semana e feriados prolongados. Já experimentou fazer um cronograma das suas tarefas levando em conta que alguma intercorrência pode ocorrer nesse meio tempo? Ao dar um prazo para o seu chefe ou cliente, tente dar à ele uma data mais extensa, assim você não ficará agoniado para cumprir a tarefa a todo custo. Caso você termine antes, ele ficará feliz e você menos tenso. Outra dica é ter um celular apenas para o trabalho e desligá-lo durante os fins de semana. Se o seu trabalho não permite isso, tente ao menos não ficar olhando para ele o tempo todo.

  • Mostre que você tem vida e compromissos além do trabalho

Estar disponível o tempo todo faz com que as pessoas sempre te procurem para pedir uma tarefa extra. Eu tive um chefe que adorava pedir coisas domingo a noite para serem entregues segunda de manhã. Muitas vezes eu ficava até tarde da noite fazendo pequenas tarefas e chegava morrendo de sono para a reunião da segunda. Acabei não respondendo mais suas mensagens e ele, por sua vez, aprendeu a me solicitar as coisas com mais antecedência.

  • Cuidado com as redes sociais

Dependendo do trabalho que você exerce, é aconselhável ter uma rede social para os colegas de trabalho e uma para amigos e familiares. Alguns posts pessoais podem desencadear um mal entendido no trabalho e ninguém quer esse tipo de inconveniente. Por outro lado, postar só coisas de trabalho para os amigos e família pode ser muito entediante.

  • Se estiver no trabalho, foco no trabalho!

Se você estiver em horário de trabalho, não vá ficar papeando do Whatsapp ou vendo o seu Facebook. Além de ser inconveniente, acaba te distraindo. Aí adivinha o que vai acontecer? Você vai ter que ficar mais tempo no escritório para terminar aquela tarefa que precisa ser entregue logo ao invés de ir curtir seu hobby favorito.

  • O que for de trabalho fica no trabalho!

É muito frustrante conviver com uma pessoa que pisa em casa e já sai falando de todos os problemas do trabalho. Além de ser super cansativo, as vezes azeda o clima em casa. Portanto, tente deixar os seus problemas relativos ao trabalho no trabalho. Se você trabalha em casa como eu, tente deixar as preocupações anotadas em um caderno para resolver no próximo expediente. Isso não significa que você nunca deve conversar sobre trabalho em casa, é claro que pode. Mas não torne isso um hábito e muito menos o único assunto durante o jantar.

  • O que for pessoal, deixe em casa!

O caso contrário também vale. Ninguém merece um colega de trabalho que chega todo dia contando todos os problemas (geralmente bem detalhados) de todos os membros da família. Nós brasileiros somos muito calorosos no ambiente profissional e gostamos de saber como está a vida de quem trabalha conosco. Mas não deixe isso mudar o seu foco. Se você precisa desabafar, convide o seu amigo para um café – depois do trabalho, claro!

  • Tire férias de verdade!

Se você está de férias, nada de ficar ligando para o trabalho só para “saber se está tudo bem”. Além de dar uma impressão de insegurança, você deixa de aproveitar esse tempo brincando com seu filho ou passeando com seu cachorro. Trabalhei com pessoas que tiravam férias mas iam na empresa todo dia, só para checar se estava tudo bem. Pra que?

  • Se você estiver se sentindo sobrecarregado, procure ajuda

Se você anda se sentindo sobrecarregado, exausto, negligenciando suas necessidades básicas (dormir, comer), se afastando das pessoas, com mudanças no comportamento (geralmente diagnosticadas pelos colegas e familiares), depressão e abuso de substâncias como álcool e drogas, procure ajuda! Você pode estar com a Síndrome de Burnout devido ao excesso de trabalho. Psicólogos e psiquiatras poderão te ajudar com tratamentos altamente eficazes.

  • Tenha um tempo para algo que você gosta, de preferência, sozinho

As vezes, é importante termos um tempo só para nós mesmos. Sem pensar em trabalho, sem pensar em esposa (o), sem pensar nos filhos, sem pensar no cachorro, no gato, no periquito. Tire algumas horas para fazer algo que você gosta: se exercitar, ir em uma massagem, fazer compras de algo que você precisa, ler, ouvir música, conhecer um lugar que você deseja, cantar, pintar, construir algo com madeira, costurar, etc.

  • Faça um calendário que englobe trabalho e família

Isso é muito útil porque evita que dois acontecimentos coincidam em uma única data. Se você for casado ou tiver filhos, é interessante fazer uma agenda compartilhada ou não esquecer de colocar todos os compromissos das crianças no seu calendário. Anote absolutamente tudo: desde uma reunião importante ao aniversário do amiguinho da sua filha (afinal você terá que se organizar para comprar o presente e levar e buscar a criança).

  • Determine seus objetivos e suas prioridades

Eu gosto de fazer isso todo início de ano, mas você pode fazer isso em qualquer momento. Gosto de fazer listas separadas do que me motiva pessoalmente e no meu trabalho e quais são meus objetivos e prioridades para ambos. Isso pode parecer meio bobagem, mas ajuda muito a não se perder ao longo do caminho. Sempre que me sinto desencorajada, eu leio as listas e sei que estou (ou não) no caminho certo.

Isso me ajudou também a me organizar quando voltei da licença maternidade. Eu queria cuidar da minha filha em período integral durante 1 ano. Isso era inegociável para mim. Então eu soube que teria que abrir mão da minha carreira por esse momento. Quando passou esse período, minha prioridade continuava sendo minha filha, mas eu sentia a necessidade de voltar para o mercado de trabalho. Então, percebi que um trabalho flexível e uma meia jornada seria o ideal para mim nesse momento.

  • Seja flexível, mas organizado

Não tem problema fazer uma hora extra um dia ou outro no trabalho. Assim como não tem problema faltar no trabalho um dia para poder cuidar de um filho doente. Essas são situações que mesmo as pessoas mais organizadas podem enfrentar de vez em quando. Ninguém sabe quando alguém da família ficará doente e nem sempre a sua equipe conseguirá entregar aquele trabalho no prazo. Essas situações podem ocorrer e nós precisamos ser flexíveis para enfrentá-las da melhor maneira possível. O problema é quando as exceções começam a se tornar regras.

  • Não sinta culpa!

A culpa é a maior inimiga da nossa felicidade. Não se culpe se você não conseguiu cumprir todas as suas tarefas do trabalho. Se você deu o seu melhor, tenha a consciência tranquila que fez tudo o que podia. Também não se culpe por deixar seu filho na escola para ir trabalhar. A maioria de nós precisamos trabalhar e precisamos do nosso salário no final do mês. Aproveite para dar ao seu filho um tempo de qualidade (sem distrações de celulares e TVs) quando estiver com ele.

Eu sei que é difícil conciliar vida profissional com vida pessoal. Você não está sozinho, eu estou no mesmo barco! Mas é possível criar algumas estratégias para que nos sintamos bem tanto no trabalho como em casa. É possível encontrarmos maneiras de darmos atenção para nossos familiares e amigos, sem esquecer da nossa carreira. As vezes, é preciso parar e pensar, colocar no papel, traçar algumas metas e esboçar algumas formas de como tornar tudo mais agradável e com mais sentido. É importante que estejamos felizes e que tenhamos a certeza que existe sim luz no fim do túnel.