Desenvolvimento infantil

15 atividades fáceis e baratas para estimular o desenvolvimento infantil de crianças de 0 a 12 meses

Pensando em comprar mais brinquedos para os seus filhos? Ao invés de gastar dinheiro com peças que logo são esquecidas pelos pequenos, por que não investir em atividades simples, práticas e baratas para estimular o desenvolvimento das crianças de 0 a 12 meses? Aqui apresento algumas atividades testadas e aprovadas aqui em casa. Vamos lá!

Atividades fáceis e baratas para crianças de 0 a 12 meses

Com o nosso dia a dia cada vez mais cansativo, falta tempo de bolarmos atividades feitas por nós mesmos para os nossos filhos. É muito mais fácil ir até uma loja e comprar um brinquedo ou simplesmente colocar a criança na frente de uma tela (tablet, TV ou celular). Porém, o que elas estão aprendendo com tudo isso? O que essas atividades as ensinam de verdade?

Muitas vezes, bolar uma atividade é mais simples e muito mais barato do que nós imaginamos. Por isso, eu deixo aqui 15 dicas de atividades que eu fiz com a minha filha e que ela curtiu brincar. Houveram outras, algumas que ela não se interessou, outras que eu não achei o resultado relevante. Mas essas abaixo estão completamente aprovadas! Veja só!

Ah, por conta da exposição e por serem fotos do meu álbum pessoal, eu tampei o rosto da minha filha com emojis. Agradeço a compreensão de vocês! 🙂

Atividade 1: Deixando o bebê de bruços

Embora a Sociedade Brasileira de Pediatria recomende que os bebês não durmam de bruços, colocá-lo nesta posição durante os momentos em que ele estiver acordado pode trazer diversas vantagens para o seu desenvolvimento. Esse tipo de estímulo pode começar por volta de um mês de idade, durante alguns minutos todos os dias. A princípio, ele pode não gostar muito desta posição, mas vale a pena investir nisso, pois ajuda a fortalecer os músculos do pescoço, peito e costas; previne o achatamento da cabecinha do bebê, por ficar muitas horas deitado de barriga para cima e ajuda na construção da força necessária para as próximas etapas – rolar, sentar, engatinhar e andar.

Como fazer?

Essa é a atividade mais básica que eu vou apresentar aqui. Você não precisa gastar nenhum dinheiro com ela, e mesmo assim estará beneficiando enormemente o seu bebê. Em casa, essa era a posição que mais contrariava a minha filha. Para tornar esse momento mais interessante, eu comecei apoiando-a na almofada de amamentação, como nas fotos abaixo. Em frente à ela, eu colocava brinquedos para ela explorar, livrinhos com figuras coloridas, um espelho (que ela adorava!) ou a mamãe aqui cantarolando ou apenas conversando com ela. Com o tempo, o bebê aceita ficar mais tempo nessa posição, por isso, não desanime!

Quando começar? A partir de 1 mês, com supervisão.

Montagem com 4 fotos mostrando um bebê de bruços, brincando com um brinquedo. Estímulo infantil.
Brincar de bruços estimula os músculos do bebê.

ATIVIDADE 2: Descobrindo o gelo

Essa atividade também é super simples e ajuda a criança a entender conceitos como “frio”, “escorregadio” e “molhado”. Além disso, estimula a criança a tentar pegar o objeto (movimento de pinça), contribuindo para o desenvolvimento da coordenação motora fina. Ela também ajuda na concentração e foco, pois a criança tem que se concentrar para pegar o gelo, e estimula a persistência, na medida em que quando o gelo “desliza” ela tem que recomeçar a brincadeira.

Como fazer?

Pegue uma vasilha com bordas altas que você tenha na sua casa e coloque duas ou três pedrinhas de gelo. Se você quiser tornar a brincadeira mais divertida, você pode fazer os gelos em formatos diferentes (estrelas, carrinhos, corações) com forminhas que achamos nas lojas de utensílios domésticos ou então preparar as pedras com água e corante alimentício. Mas atenção, como o bebê pode colocar as pedrinhas de gelo na boca o supervisione sempre.

Quando começar? Assim que a criança já conseguir sentar com firmeza, com supervisão.

Criança brincando com uma vasilha e algumas pedras de gelo.
Descobrir o gelo pode ser muito mais do que refrescante!

ATIVIDADE 3: Massinha caseira colorida e comestível

Essa atividade é muito legal, mas se prepare para um pouco de sujeira (e, convenhamos, quanto mais sujeira, mais legal é né gente)! Fazer a própria massinha tem muitas vantagens: você sabe exatamente quais ingredientes estão sendo utilizados e pode fazer das cores que você quiser. Embora o intuito da brincadeira não seja comer a massinha, se a criança experimentá-la (temos que pensar muito nisso na fase oral) não tem problema.

Além de estimular a imaginação, pois depois de pronta dá para bolar diversas figuras, a massinha trabalha com o conceito de textura (macia, pegajosa, grudenta, etc.), cores (verde, azul, rosa, amarelo) e concentração.

Como fazer?

Você vai precisar de apenas três ingredientes: amido de milho (a famosa Maizena), água filtrada e corante de alimentos (esse item é opcional). Eu fiz no olhômetro mesmo: coloquei um tanto do amido em uma bacia e fui adicionando água aos poucos (é importante que seja aos poucos mesmo), até a massinha ficar com a consistência firme, mas maleável. Depois pinguei algumas gotas do corante alimentício e pronto, diversão garantida! É importante salientar aqui que o foco não é apenas no produto final, mas no processo em si; portanto, deixe seu filho misturar os ingredientes com você e sentir a mistura de água e amido se transformando. Caso você opte por usar o corante, mixe as cores, misture-as, ensine que azul e amarelo vira verde, por exemplo.

Em relação à bagunça, eu recomendo você fazer essa atividade fora de casa, no quintal ou em uma sacada de apartamento. Caso você não tenha nem um e nem outro, forre o chão com uma toalha velha ou um plástico. É aconselhável também que todos estejam vestidos com roupas que podem manchar (para as crianças, uma boa opção são os aventais impermeáveis de atividades). Essa massinha dura bastante; basta armazená-la em um lugar seco e embalada em papel filme. Porém quando você perceber que ela está suja, com uma cor diferente ou cheirando mais forte, descarte-a.

Agora, mão na massa (literalmente)!

Quando começar? A partir dos 6 meses, com supervisão.

Duas crianças preparam e brincam com uma massinha rosa comestível feita de amido de milho, água e corante de alimentos.
Além de ser uma brincadeira divertida, a massinha caseira não oferece perigo se o bebê a colocar na boca.

ATIVIDADE 4: Cesta dos tesouros

Esta atividade trabalha com diversos pontos do desenvolvimento infantil, desde texturas (duro, mole, áspero, macio, pesado, leve, quente, frio), formas, cores, até o desenvolvimento psicomotor, e a coordenação olho-mão-boca (a criança tem que se esforçar para pegar os objetos, segurá-los, levá-los até a boca, etc). Aqui em casa, minha filha passava um tempão explorando os objetos, analisando-os, “experimentando-os” e batendo uns nos outros para produzir sons. Para nós, pais ou cuidadores, é uma ótima oportunidade para presenciarmos a curiosidade e o descobrimento dos bebês.

Como fazer:

Pegue objetos dos mais variados tipos que você tiver em casa. O interessante aqui é que eles tenham formatos, cores, texturas e pesos diferentes. Vale tudo: esponja (nova) de cozinha, peneira, coador, bolinhas (cuidado com o tamanho para evitar engasgo!), colheres de madeira e de inox, tecidos macios e fofinhos, buchas de banho, lixas de unha, potes de plástico, etc. O cuidado que devemos ter aqui é com o tamanho dos objetos (nada de peças pequenas que o bebê pode engolir), a limpeza dos mesmos e a segurança das peças (objetos pontiagudos devem ser mantidos longe das crianças). Devemos ter em mente que o bebê irá colocá-los na boca, então nada de oferecer à ele uma esponja usada ou molhada (eca!).

Uma forma interessante de apresentar esses objetos para a criança é em uma bandeja de cor neutra (as bandejas coloridas tiram o foco dos objetos). Arrume os objetos na bandeja de forma que a criança tenha vontade de pegar e brincar; normalmente, 5 ou 6 peças, dependendo do tamanho, já são suficientes. Enquanto a brincadeira estiver rolando, converse com seu filho sobre os objetos: “olha essa bolinha vermelha”, “hm, essa colher é gelada né”, “ui, essa esponja é bastante áspera”, e assim por diante. Assim, você estará contribuindo para a formação do vocabulário dele também. Porém, evite falar o tempo todo: estimule também a concentração do pequeno e para isso ocorrer o silêncio é importante.

Quando você perceber que o seu filho já perdeu o interesse nesses objetos, é só trocar por outros!

Quando começar? Assim que a criança já conseguir sentar com firmeza, com supervisão.

Montagem de seis fotos de uma criança explorando uma cesta de tesouros: diversos materiais com texturas, cores, pesos e formatos diferentes.
A cesta de tesouros estimula a visão, o tato, a audição e os demais sentidos do bebê.

ATIVIDADE 5: Estilingue de pompom

O estilingue de pompom nada tem a ver com o estilingue que nós conhecemos do tempo que éramos criança. Esse é uma brincadeira indoor (de dentro de casa) e o objetivo é se divertir atirando pompons uns nos outros. Eu me lembro das gargalhadas que minha filha dava quando acertávamos uns aos outros. Até nosso cachorrinho entrou na dança.

Embora essa atividade seja engraçada, ela trabalha com força (a criança precisa ter força para puxar a bexiga e soltar) e mira (o legal é acertar em alguém né ou desviar de um pompom).

Como fazer:

Você irá precisar de um copo descartável, estilete ou tesoura, uma bexiga vazia, fita adesiva e pompons. Retire o fundo do copo descartável com o estilete ou uma tesoura. Pegue a bexiga e amarre a ponta (igual você amarra quando enche o balão) e depois corte a ponta da outra extremidade da bexiga. Essa ponta cortada da bexiga será encaixada no fundo do copo que você cortou. Para que eles não se escapem, prenda bem com fita adesiva. Depois, é só colocar o pompom dentro do copo e puxar a ponta amarrada do balão. Diversão mais que garantida para a família toda!

Quando começar? Assim que a criança já conseguir sentar com firmeza, com supervisão.

Montagem com quatro fotos mostrando uma família brincando com um estilingue de pompom feito com copo descartável, bexiga e pompons.
O estilingue de pompom ajuda a criança a ter força para puxar a bexiga e a mirar no seu alvo.

ATIVIDADE 6: PINTURA COM GUACHE NO PAPEL FILME

Essa atividade é muito legal para fazer quando você quer uma brincadeira que não faça sujeira. Além de deixar o seu pequeno soltar a criatividade misturando cores e pintando com mãos, pés, pernas e bumbum (minha filha sentou em cima hehe), essa atividade trabalha com a coordenação motora fina e cores.

Como fazer:

Você precisará de papel sulfite, guache de várias cores e papel filme. Pegue o papel sulfite e pingue várias gotas de guache de diversas cores. Quando mais cores você utilizar, melhor. Com cuidado, embale esse sulfite com papel filme, de forma que não haja espaço para a tinta sair e sujar o chão e a criança. Pronto! Entregue para o seu filho e deixe ele explorar a atividade e desenvolver uma bela obra de arte abstrata.

Eu recomendo que depois que a criança finalizar a atividade, você deixe o papel secar (sem o papel filme, claro) e pendure o desenho depois de seco pela casa. Imagine a alegria do seu pequeno vendo a pintura que ele fez enfeitando a sala ou o quarto dos pais?!

Quando começar? Assim que a criança já conseguir sentar com firmeza, com supervisão.

Criança brincando com tinta guache em um papel filme.
As pinturas são sempre um estímulo à imaginação e criatividade.

ATIVIDADE 7: Desafio da mini-cama de gato

A cama de gato é um desafio que estimula a concentração, a coordenação motora grossa e a persistência. É como um quebra cabeça. A criança tem que parar, pensar, escolher a peça que deseja retirar e fazer as tentativas. Quanto mais trançados você fizer, mais difícil será. Recomendo começar com poucas tranças, para não desestimular a criança, e ir aumentando aos poucos. Para crianças maiores, que já andam, você também pode fazer a cama de gato maior, nas paredes, para eles atravessarem com o corpo todo. Dê asas à sua imaginação.

Como fazer:

Você irá precisar de uma caixa organizadora com furos (você encontra esse tipo de caixa em lojas do tipo R$1.99), barbante ou fio de nylon e alguns bloquinhos (pode ser de EVA, Lego ou qualquer brinquedo da criança que passe pelo trançado). Você também pode usar uma caixa de sapato e fazer furos nas laterais. Com o barbante ou com o fio de nylon faça uma espécie de teia, como na foto abaixo. Como foi dito anteriormente, quanto mais fechado o trançado, maior o desafio. Coloque os brinquedos no fundo da caixa e entregue ao seu pequeno. Esse é um ótimo entretenimento para dias frios e/ou chuvosos.

Quando começar? Assim que a criança já conseguir sentar com firmeza, com supervisão.

Na imagem, pode-se ver uma caixa com furos nas laterais e um barbante fazendo uma espécie de teia para que a criança tenha o desafio de pegar os objetos no fundo.
Ótima atividade para dias chuvosos e/ou frios.

ATIVIDADE 8: palitinhos de sentimentos

Super fáceis de fazer, os palitinhos de sentimentos servem para várias coisas e em diversas ocasiões. Para os bebês menores, estimula o aprendizado de expressões: você pode mostrar a carta e fazer cara de feliz, triste, preocupado ou com medo. Desde pequenas as crianças já sabem quando estamos felizes e quando não aprovamos algo, mas muitas vezes elas não sabem nomear os sentimentos. Esse é um dos motivos pelos quais surgem comportamentos como choros ou as “birras”. Se começamos a falar sobre sentimentos desde cedo – e a nomeá-los – os comportamentos inadequados diminuem bastante com o tempo.

Os palitinhos também são ótimos para contar histórias. Você conta e vai ilustrando com as expressões. Para as crianças maiores, você pode pedir para que elas sinalizem com a carta como elas estão se sentindo naquele dia. É bem interessante!

Como fazer:

Você irá precisar de palitinhos de sorvete, sulfite, fita adesiva e canetinha. Basta desenhar diversas expressões no papel, recortar e colar nos palitos. Para evitar que o papel amasse ou rasgue, passe fita adesiva em todo o círculo (ou plastifique). Outra opção também é imprimir da internet fotos reais de crianças com várias expressões. Fica bem legal.

Quando começar? Desde os 2 meses, com supervisão.

Montagem com duas fotos. Em uma foto, vemos seis palitinhos de sentimentos, com expressões variadas (tristeza, raiva, alegria, espanto). Na segunda, vemos uma criança interagindo com eles.
Fale com seu filho sobre sentimentos, como expressá-los e como reagir à eles.

ATIVIDADE 9: Bolhas de sabão

Essa atividade é uma ótima desculpa para sair de casa, respirar um ar puro e brincar ao ar livre. É muito difícil uma criança (e um adulto, para ser sincera) que não goste de bolhas de sabão. Eu acho uma atividade extremamente relaxante hehe. Além da mudança de ambiente que você poderá proporcionar ao seu filho, também há o estímulo visual (você acompanha com o olhar para onde a bolha vai), a concentração (devemos nos focar para não perdê-la de vista) e a própria atividade física (correr ou engatinhar atrás da bolha para estourá-la). Para crianças que já conseguem fazer a bolha (convenhamos, não é tão fácil assim fazer uma bolha perfeita), os especialistas afirmam que ajuda até no desenvolvimento da linguagem, por conta do movimento do sopro.

Como fazer:

Não tem erro: basta comprar em qualquer lojinha de um real um tubete com sabão e sair por aí fazendo bolhas. Há também máquinas para isso, mas nós não precisamos de tudo isso para entreter o nosso filho pequeno, né! Eu já tentei fazer em casa com detergente, mas nunca deu muito certo. Se você já conseguiu fazer a sua própria mistura, por favor, deixe aqui nos comentários.

Quando começar? Para a criança não ser uma mera espectadora da alegria dos pais (tsc tsc), eu recomendo começar quando ela já estiver engatinhando. Sempre com supervisão.

Montagem com duas fotos de uma criança brincando com bolhas de sabão.
As bolhas de sabão estimulam a criança a brincar ao ar livre e a se movimentar.

ATIVIDADE 10: Transferência de materiais

A transferência de materiais é uma atividade muito legal e ótima para o desenvolvimento de habilidades infantis, pois trabalha com a coordenação motora fina (movimento de pinça) e a relação causa e efeito. Em ambos os casos, estimula a concentração e trabalha com conceitos como tentativa/erro e perseverança.

Como fazer?

Super simples de preparar, você precisará apenas de dois potinhos e alguns objetos que a criança possa usar para transferir de um recipiente para o outro. Aqui eu fiz com animaizinhos de madeira de tamanho médio (para evitar possíveis engasgos), mas em crianças maiores pode ser feito com grãos menores (feijão, lentilha, arroz, etc. COM SUPERVISÃO!). Para crianças de 2 anos em diante, a transferência pode ser feita com líquidos, mas isso será um assunto de um próximo post.

Quando começar? A partir dos 10 meses, com supervisão.

Montagem com três imagens de uma criança transferindo animais de madeira de um potinho para outro.
Transferência de materiais: coordenação motora fina, concentração e relação causa e efeito.

ATIVIDADE 11: Caixa misteriosa

Para bebês pequenos a caixa surpresa serve para estimular a coordenação motora e conceitos como “pertencimento”, ou seja, não é porque a bolinha entrou no buraco que ela deixou de existir. É a mesma lógica do “achou”, brincadeira importantíssima para bebês de 8 meses à um ano e meio, que podem sofrer com a ansiedade de separação materna. A caixa também trabalha com o conceito de ação e reação e pode servir para esconder outros objetos, sendo que a criança tentará tirá-los da caixa.

Para crianças maiores, a diversão pode ser outra. Experimente colocar diversas coisas dentro da caixa e pedir para seu filho fechar os olhos e tentar descobrir apenas com o tato qual objeto é. Diversão na certa né!

Como fazer?

Você precisará de uma caixa de papelão (pode ser de sapato também), fita adesiva, estilete e objetos diversos. Feche a caixa com fita para que a criança não consiga abri-la. Na parte superior faça um furo que caiba a sua mão, mas que não dê para enxergar todo o conteúdo interno. Se você quiser dar uma incrementada, pode encapar e decorar a caixa com papel. Comece a brincadeira com um ou dois objetos, no máximo. Quando a criança achar o objeto dentro da caixa, você pode dizer “olhe, achou a bolinha! Ela estava aí o tempo todo!”.

Quando começar? A partir dos 8 meses, com supervisão.

Montagem com duas fotos de uma criança brincando com uma caixa com um buraco dentro.
A caixa surpresa é ótima para trabalhar a ansiedade de separação infantil que ocorre por volta dos 8 meses.

ATIVIDADE 12: garrafas sensoriais

As garrafas sensoriais permitem que a criança desenvolva a coordenação motora grossa, concentração, percepção visual, sonora e tátil. Além disso , ensina conceitos como “leve”, “pesado”, “cheio”, “vazio”, “muito” e “pouco”.

Como fazer?

Separe algumas garrafas pet pequenas (aquelas de água são ideais, mas evite as muito molengas). Encha cada uma delas com objetos diferentes, levando em consideração pesos diferentes, sons, cores, e por ai vai. No meu exemplo, eu fiz uma com rolhas de vinho (pode ser com tampinhas de cerveja ou clips), outra com pompons (pode ser papel picado, bolinhas de borracha, etc.) e outra com uma mistura de glitter, lantejoulas e pequenas missangas. Mas atenção ⚠️: certifique-se que as garrafas estejam muito bem lacradas (com cola ou fita adesiva), para evitar acidentes e/ou engasgos.

Quando começar? Assim que a criança já conseguir sentar com firmeza, com supervisão.

Montagem com quatro imagens de uma criança brincando com garrafas sensoriais.
As garrafas sensoriais estimulam a concentração, coordenação motora grossa e percepção visual das crianças.

ATIVIDADE 13: Macarrão sensorial

Essa certamente é a atividade mais saborosa deste post! O macarrão sensorial estimula a exploração de diferentes texturas (o macarrão depois de coado é liso, escorregadio e após um tempo, com a ação do amido, ele se torna grudento, firme, duro). Essa brincadeira também trabalha com a coordenação motora fina, pois a criança tem que se concentrar para pegar um fio da massa. 

Como fazer?

Para evitar o desperdício, eu indico utilizar um macarrão que esteja perto do vencimento, ou vencido de pouquinho, que você iria jogar fora. Pode ser integral ou branco. Eu achei mais legal ser do tipo espaguete, mas pode ser penne, parafuro, etc. Você vai precisar apenas ferver o macarrão, sem óleo e sem sal. Se você quiser que ele não mude a textura durante a brincadeira, depois de cozido, dê um banho nele com água bem gelada. Mas a mudança do aspecto escorregadio para grudento pode ser uma experiência sensorial bem rica para seu filho. Ah, e não precisa ser um pacote inteiro como eu fiz; um pouquinho já é o suficiente para vocês se divertirem muito.

Você pode usar corantes alimentícios para chamar mais a atenção da criança e utensílios para que ela possa colocar e tirar os fios. E, claro, não tem problema se o bebê comer um pouquinho!

Quando começar? A partir dos 8 meses, com supervisão.

Montagem com quatro fotos mostrando uma criança se divertindo com a textura de um macarrão cozido.
Macarrão sensorial: delicioso e ótimo para trabalhar texturas.

ATIVIDADE 14: Caixa com palitos

O segredo desta atividade é: paciência! Talvez seu filho não entenda ou não consiga fazer a atividade logo de cara (aqui demoramos 4 dias para ela começar a entender e a se interessar). No entanto, vale a pena insistir, pois essa atividade incentiva a coordenação motora fina, a concentração e o conceito de permanência (lembra da ansiedade de separação que eu falei ali em cima?).

Como fazer?

Você vai precisar aqui de uma caixinha de leite que tenha tampinha em cima e palitos de sorvete (podem ser lápis sem ponta também ou canudinhos). Eu encapei a caixa, mas já adianto que isso é completamente desnecessário. Na parte inferior da caixa, abra um quadrado por onde os palitinhos vão sair e retire a tampa da caixa (você não irá precisar dela). Estimule a criança a colocar o palito pelo buraco onde saia o leite e a pegar pelo quadrado que você abriu. Depois que eles pegam o jeitinho, é uma ótima fonte de entretenimento.

Quando começar? A partir dos 11 meses, com supervisão.

Montagem com quatro fotos mostrando uma criança brincando com uma caixa de leite e palitos. Desenvolvimento infantil.
Além de estar reciclando uma caixa de leite, você estará contribuindo para a coordenação motora fina do seu filho.

ATIVIDADE 15: Janelinhas supresas

Essa atividade é uma que tem que ser preparada com antecedência. Sabe as tampas dos lencinhos umedecidos? Guarde-as! Você verá que atividade legal pode ser feita através delas!

Como fazer?

É bem simples fazer essa atividade e você vai precisar de: cartolina, tesoura, cola branca, figuras (aqui foram de animais reais), cola quente, fita adesiva (para fixar a cartolina no chão) e, claro, essas tampinhas que vêm nos lenços umedecidos, por onde o lencinho sai. Eu colei as figuras dos animais na cartolina e transformei as tampas dos lencinhos em “janelas” que ela pode abrir e descobrir o animal.

Essa atividade proporciona diversas brincadeiras. Você pode imitar os sons dos animais (ou dos meios de transporte, ou dos heróis, etc), cantar músicas relacionadas ao bichinho, falar sobre cores e mais para frente até arriscar um jogo da memória. Que tal?

Quando começar? A partir dos 8 meses, com supervisão.

Montagem com quatro fotos de uma criança brincando com tampas de lenço umedecido. Desenvolvimento infantil.
E você jogando fora as embalagens dos lenços umedecidos, hein!

Gostou? Tem mais!

Gostou do conteúdo do Canto da Isa? Quer saber mais sobre desenvolvimento infantil, maternidade e bem-estar? Olha só esses links relacionados:

O QUE FALAM OS LIVROS: AS TELAS E O DESENVOLVIMENTO INFANTIL

ORGANIZAÇÃO DE BRINQUEDOS: MUITO MAIS IMPORTANTE DO QUE VOCÊ IMAGINA

EDUCAÇÃO EMOCIONAL: TUDO COMEÇA NA INFÂNCIA

A MULHER DEPOIS DA MATERNIDADE – PARTE I