Desenvolvimento infantil

O que falam os livros: As 5 linguagens do amor das crianças

Você sabe o que são linguagens do amor? Será que ao dizer “eu te amo” para os nossos filhos todos os dias nós estamos realmente comunicando à eles que os amamos de verdade? Ou eles precisam de mais do que isso?

Na imagem vemos uma criança deitada de bruços segurando um coração vermelho de papel.
Qual será a linguagem do amor do seu filho? (Imagem: Unsplash)

Cada criança – aliás, cada ser humano – possui uma linguagem de amor específica, por meio da qual ela compreende e sente melhor o amor do pai e da mãe (ou dos avós, tios, professores, etc.). Descobrir e utilizar a linguagem do amor predominante de quem você ama pode ter um efeito surpreendente nos seus relacionamentos.

Isso porque, de acordo com o conselheiro Gary Chapman e o psiquiatra Ross Campbell, existem cinco linguagens básicas pelas quais o amor é expressado e compreendido pelas pessoas. No livro As Cinco linguagens do amor das crianças, os autores afirmam que cada indivíduo nasce com uma maneira específica de identificar, receber e dar amor. No entanto, cada indivíduo possui uma linguagem mais predominante.

E é aqui que a coisa toda começa a ficar interessante! Um passo certeiro para expressar seu amor pelo seu filho é identificar sua linguagem do amor e também a linguagem que ele utiliza para isso. Daí em diante, os autores garantem que você pode mudar seus relacionamentos. E acredite: É VERDADE!

O amor é a base de tudo

As crianças têm diversas necessidades. Desde às mais básicas, inerentes a sua sobrevivência, como alimento, água, higiene pessoal e roupas adequadas ao clima, até as mais complexas como interação social e contato físico.

Diversas foram as pesquisas que já apontaram para a necessidade de dar e receber carinho para as crianças.

O Touch Research Institute (Instituto de Pesquisa do Toque) da Universidade de Miami fez centenas de estudos relacionando o toque com o crescimento e desenvolvimento infantil ao longo dos anos. Em estudos com crianças com Síndrome de Down, os pesquisadores verificaram que, ao receberem o estímulo do toque e do contato físico (abraços, carinhos, beijos, colo) dos seus pais e cuidadores, as crianças começavam a andar mais cedo.

Em um livro publicado por Mary Braun e Stephanie Simomson, as autoras americanas mostram relatos de mulheres em trabalho de parto que recebiam contato físico de seus parceiros toleravam mais as contrações, diminuindo o uso de anestesias e analgésicos.

Outro estudo que comprova o poder do toque e da formação do apego é o do psicanalista René Spitz. Em seu livro O primeiro ano de vida, ele observou diversos bebês em um orfanato. Os bebês que eram apenas alimentados e vestidos (tendo suas necessidades básicas supridas), mas que não recebiam colo e toque físico com regularidade, apresentavam uma síndrome denominada por ele na época de “hospitalismo”. Esses bebês apresentavam atrasos no desenvolvimento físico, não tinham apetite, não ganhavam peso suficiente e, com o tempo, perdiam o interesse em se relacionar com outras pessoas, condições que somadas os levava ao óbito. René concluiu a ausência dos pais e do afeto humano como fatores determinantes para o desenvolvimento infantil.

Se por um lado o toque físico garante o desenvolvimento dos pequenos, o amor expressado por seus pais, familiares e cuidadores, fazem as crianças felizes e realçam nelas sentimentos de confiança, independência e segurança afetiva.

Você já ouviu falar de tanque emocional?

Chapman e Campbell afirmam que toda criança (e todo ser humano) possui um tanque emocional, que consiste em um reservatório de força emocional capaz de alimentá-la nos dias desafiadores da infância e da adolescência (e mais tarde, da vida adulta). Assim como os automóveis recebem energia de combustíveis armazenados em seus tanques, as crianças são movidas pelas emoções que expressamos à elas durante toda a vida. Portanto, precisamos estar constantemente enchendo seus tanques para que elas atinjam seu potencial. Mas como fazer isso?

Com amor! Mas com o tipo “certo” de amor. Precisamos encher o tanque de nossas crianças com o amor incondicional, aquele que não espera nada em troca, que aceita e apoia o indivíduo pelo que ele é e não pelo que ele faz ou tem.

Nesse contexto, os autores discutem que toda criança tem uma forma especial de perceber o amor. Cada indivíduo possui mais aguçada uma (ou duas) das 5 linguagens do amor, que abastecerá mais rapidamente seus tanques emocionais: toque físico, palavras de afirmação, tempo de qualidade, presentes e atos de serviço. Se você possui vários filhos, é possível que cada um falem linguagens diferentes. Seja qual for a linguagem da criança, no entanto, é imprescindível que ela seja amada incondicionalmente. Sem esse tipo de amor, a criação de filhos se torna desorientada e confusa.

As 5 linguagens do amor

Linguagem 1: Toque físico

Na imagem vemos uma mãe sorrindo carinhosamente para o seu filho. Linguagem de amor toque físico. (Fonte: Unsplash)

Beijos, abraços, cutucões de brincadeira com o cotovelo, mão no ombro, toques suaves pelo braço, mãos dadas, assistir um filme encostado, entre outros gestos, representam essa linguagem do amor nas crianças. (Imagem: Unsplash)

O pai que levanta o filho pequeno acima de sua cabeça e a mãe que lê um livro com a filha no colo estão transmitindo amor por meio do toque físico.

Embora esta linguagem pareça a mais simples, muitos pais e mães possuem imensas dificuldades com esse tipo de contato (pode ser que essa não seja a mesma linguagem dos pais). Como já foi dito anteriormente, bebês e crianças necessitam muito desse tipo de linguagem, que pode ser expressa por: COLO! Sim, os bebês PRECISAM DE COLO! À medida que a criança cresce o contato físico muda um pouco, passando para abraços, beijos e brincadeiras de contato, como cavalinho e cócegas.

Meninas e meninos necessitam igualmente de demonstrações físicas de amor, embora por motivos culturais os meninos acabem recebendo menos que as meninas.

Aqui neste post não abordaremos sobre o toque físico inapropriado, do tipo que deixam marcas traumáticas nas crianças. Falamos aqui, é importante frisar, de toque físico com carinho, amor e respeito.

Características das crianças com esta linguagem

Mais do que saber que o amor existe, algumas crianças têm a necessidade de sentir fisicamente esse amor. Por isso, fazem questão de receberem carinho, por meio do toque, para que que se sintam mais seguras.

Normalmente são crianças que gostam de colo mais do que as outras, que têm necessidade de andar de mãos dadas com os pais e com os amiguinhos, que se mostram carinhosas com os animais de estimação e com alguns brinquedos, que se encostam em nós ao assistir TV e que adoram atividades físicas que envolvam contato físico, como artes marciais e futebol, por exemplo. São crianças que aceitam muito bem os abraços e beijos entusiasmados dos parentes próximos e que adoram brincar de “toque aqui!”. Elas também se sentem muito satisfeitas com pequenas massagens nas costas e, quando pequenas, adoram paninhos, naninhas e ursinhos para dormir.

Ao perguntar à elas se sentem amadas e por quê, provavelmente você poderá ouvir algo do tipo “sim, porque minha mãe me abraça” ou “sim, porque meu avô sempre me beija ao se despedir de mim”.

Ideias para lidar com essa linguagem de amor

Se você acha que essa é a linguagem de amor do seu filho, que tal fazer uma das coisas listadas abaixo?

  • Sempre que você encontra o seu filho ou se despede dele, lhe dê um abraço carinhoso;
  • Na hora de dormir, ao ler uma história para ele, aninhe-o em seus braços;
  • Quando ele lhe disser que teve um dia desafiador, acaricie seus cabelos, coloque a mão em seu ombro, lhe dê um abraço;
  • Fique perto dele quando estiverem assistindo TV ou um filme;
  • Faça a brincadeira do “toque aqui” com ele sempre que houver a oportunidade;
  • Surpreenda-o com um ataque de cócegas, tomando o cuidado para a brincadeira não se tornar irritante para ele;
  • Ande de mãos dadas com ele sempre que ele quiser;
  • Sempre lhe dê um beijo de boa noite;
  • Ensine-o que o contato físico só deve ser feito com quem a gente conhece e se a pessoa quiser.

Linguagem 2: Palavras de afirmação

Na imagem vemos uma mãe e uma filha sorridentes. Linguagem do amor palavras de afirmação.

As palavras são poderosos meios de expressar amor e carinho para o seu filho. (Imagem: Unsplash)

Palavras de afeto, amor, carinho, encorajamento e elogio mostram para as crianças que têm essa linguagem acentuada que “eu me importo com você”.

É claro que todas as crianças se sentem felizes ao serem elogiadas, mas aquelas que possuem as palavras de afirmação como principal linguagem do amor se sentem muito mais felizes, confiantes e amadas quando recebem esse tipo de afirmação. Por outro lado, palavras que ferem e machucam proferidas em momentos de frustração e cansaço são devastadoras para essas crianças.

Características das crianças com esta linguagem

Geralmente, as crianças com este tipo de linguagem do amor ficam extremamente contentes aos serem elogiadas e encorajadas. Elas também podem ficar chateadas quando recebem palavras duras, faladas de maneira grosseira pelos pais, familiares e amigos. As crianças com esta linguagem tendem a elogiar as outras pessoas “você está linda, mamãe”, “eu te amo, papai”. Elas costumam falar carinhosamente com os animais de estimação e com brinquedos como bonecas e pelúcias.

Ao perguntar à elas se sentem amadas e por quê, provavelmente você poderá ouvir algo do tipo “sim, porque minha professora me incentivou a estudar para a prova” ou “sim, porque meu amiguinho me disse que gosta muito de mim”.

Mas cuidado! Não confunda palavras de afirmação com uma chuva de elogios sem sentido e vazios. Elogio e afeto são ações completamente diferentes. As crianças que ouvem “que desenho lindo!” podem compreender que apenas o resultado de suas ações é o que importa; ao ponto que incentivar e apreciar o esforço “você utilizou várias cores neste desenho, ficou muito alegre a imagem” produz um significado muito mais profundo. Falaremos mais sobre não elogiar seu filho e porque aqui no Canto da Isa.

Ideias para lidar com essa linguagem de amor

Se você identificou essa como a linguagem de amor do seu filho, que tal experimentar essas sugestões?

  • Sempre diga ao seu filho que lhe ama, mas sem segundas intenções (“filho eu te amo, agora arruma seus brinquedos?”, não rola né!);
  • Quando seu filho já souber ler, mande recadinhos na lancheira dele com palavras de encorajamento;
  • Mencione coisas específicas quando for elogiá-lo “gostei muito que você compartilhou o lanche com seu amiguinho” ou então “você se esforçou muito para a prova de matemática e se saiu bem, estou orgulhosa de você!”;
  • Quando precisar passar uns dias longe do seu filho, mande recadinhos para ele ou deixe bilhetinhos pela casa para ele achar;
  • Quando seu filho estiver chateado e frustrado com algo, mencione 5 motivos pelos quais você se orgulha dele;
  • Ensine-o que embora os elogios sejam bons, que ele não precisa recebê-los a todo momento para se sentir amado.

Linguagem 3: Tempo de qualidade

Na foto vemos a silhueta de pai e filha caminhando na praia, de mãos dadas com o sol se pondo ao fundo.

Nesta linguagem não basta apenas estar ao lado da criança, mas oferecer à ela um tempo de qualidade e exclusivo. (Fonte: Unsplash)

Esta linguagem diz respeito à dedicação de um tempo exclusivo, ainda que pequeno, com seus filhos. Isso inclui: conversas de qualidade e sem distração, passeios, assistir televisão juntos, ir ao cinema, brincar com a criança, levá-la para tomar um sorvete ou jantar juntos, e assim por diante. Se você possui mais de um filho, experimente tem um tempo de qualidade com cada um deles separadamente de vez em quando.

Mas, atenção: quando se dedicar a ter um tempo de qualidade com o seu filho, esteja com ele DE VERDADE. Sem celular, sem tablet, sem TV com o seu programa favorito ao fundo. Estar com a criança inteiramente e sem interrupção é muito importante.

Características das crianças com esta linguagem

AS crianças com essa linguagem de amor predominante se sentem extremamente frustradas quando você não lhes dá uma atenção com qualidade. Para elas não basta compartilhar o mesmo ambiente: ela sempre lhe pede que interaja com ela nas brincadeiras, sempre pede para você prestar atenção ao que está lhe dizendo e faz aquela careta horrível quando você olha o celular. As crianças com esta linguagem necessitam da sua presença física exclusiva de tempos e tempos e podem ficar bastante furiosas se você não lhes arruma um tempinho só para elas.

Portanto, mergulhe de cabeça quando estiver com seu filho: sente com ele no parque de areia e construa um belo castelo, faça companhia à eles quando estiver fazendo a lição de casa, brinque de casinha e prepare bolos deliciosos de massinha, jogue uma partida de futebol com sua criança quando ela lhe pedir. Mantenha o contato visual quando ela falar com você e responda à ela: não tem nada mais chato do que quando falamos com alguém e percebemos que ela não está nem um pouco interessada.

Ao perguntar às crianças desta linguagem se elas sentem amadas e por quê, provavelmente você escutará “sim, porque mãe sempre brinca comigo depois da escola” ou “sim, porque minha avó sempre me leva para tomar sorvete no fim de semana”.

Se você é uma pessoa muito ocupada, estabeleça horários e dias da semana para passar com o seu filho e cumpra o combinado. Assim, a criança saberá quando te procurar e você poderá se empenhar à ela com mais liberdade.

Ideias para lidar com essa linguagem de amor

  • Inclua seu filho em algumas atividades do seu dia-a-dia, como lavar louça, fazer um bolo ou limpar o quintal, mesmo que isso demore mais;
  • Pare o que está fazendo e estabeleça contato visual com seu filho quando ele lhe contar algo importante;
  • Prepare uma cesta ou uma sacola com comidinhas e leve seu filho para um piquenique. Pode ser em um parque ou até em alguma parte do seu condomínio ou quintal;
  • Faça a “hora do cinema” de vez em quando: faça pipoca e assista com ele o filme que seu filho escolher;
  • Pergunte ao seu filho como foi o dia dele, converse sobre o seu dia também. Mantenham uma conversa pelo menos uma ou duas vezes por dia;
  • Surpreenda seu filho com ingressos para o cinema ou para uma peça com personagens que ele goste;
  • Acampem juntos, nem que seja no quintal de casa ou na sacada do apartamento ou na sala de estar, o importante é mudar um pouco o cenário e se divertir;
  • Depois de buscar seu filho na escola, o surpreenda com um almoço ou jantar especial, em um restaurante que ele goste;
  • Cultivem uma planta ou, quem sabe, uma horta juntos!

Linguagem 4: Presentes

Nesta linguagem o que menos importa é o valor financeiro, pois o amor pode ser expressado por meio de uma flor, um cartão, uma foto ou um desenho, por exemplo. (Fonte: Unsplash)

O importante aqui é o valor simbólico do que é presenteado, uma vez que a criança que o recebe se sente imensamente grata, feliz e realizada quando percebe a importância e o significado que tem em sua vida.

Para os pequenos que se sentem amados por meio desta linguagem, o fundamental é saber que o presente está sendo dado de coração, com a intenção realmente de agradar e deixar uma marca, fazendo com que estes se sintam lembrados, mesmo quando os pais ou pessoas queridas estão ausentes em uma viagem. Não adianta, portanto, presentear seu filho de qualquer jeito: um embrulho mal feito ou um presente entregue de qualquer jeito pode ser DESASTROSO.

Características das crianças com esta linguagem

As crianças com esta linguagem predominante guardam seus presentes como joias raras. Normalmente, colocam aquela pedrinha que o coleguinha deu no local mais visível e bonito do quarto. Ou então, leem e releem aquele cartão que você lhe deu de aniversário.

Embora todas as crianças gostem de ganhar presentes, essas gostam mais. Raramente os presentes ficarão esquecidos em um canto ou serão destruídos em momentos de raiva. Crianças com esta linguagem têm dificuldade até para jogar fora uma florzinha já morta que ela ganhou em um passeio e fazem questão de mostrarem para todos aquele desenho especial.

Mas cuidado para não confundir essa linguagem de amor com um consumismo perigoso e ensinar isso para o seu filho. Como já foi dito, o valor aqui é o que menos importa. Então, de nada adianta comprar a casinha de bonecas mais cara da loja se a criança perceber que não foi dada com amor. Nesse caso, o presente terá um significado extremamente negativo e ela ficará bastante magoada com você.

Ao perguntar às crianças desta linguagem se elas sentem amadas e por quê, provavelmente você escutará “sim, porque minha mãe sempre me dá uma florzinha quando vamos ao parque” ou “sim, porque meu pai sempre me traz um cartão da cidade que ele viaja a trabalho”.

Ideias para lidar com essa linguagem de amor

Se o seu filho possuir essa linguagem do amor, ele ficará imensamente feliz com estas dicas:

  • Depois de um dia longo de trabalho, experimente trazer para o seu filho um doce ou um lanche que ele goste;
  • Prepare a comida favorita para o seu filho de vez em quando e deixe claro que você pensou nele ao prepará-la;
  • Quando viajar a trabalho, traga alguma lembrança ou cacareco do lugar que você visitou;
  • Dê ao seu filho alguns vales para ele usar como quiser: vale um passeio no parque, uma ida ao restaurante favorito dele, um sorvete, etc., seja criativo! Priorize coisas mais simples ao invés de brinquedos comprados;
  • Organize uma caça aos presentes em datas festivas, como dia das crianças ou o próprio aniversário dele;
  • Compre presentes que você sabe que seu filho vá gostar e não apenas por obrigação da data;
  • Dê pequenas dicas para ele alguns dias antes do aniversário, para deixá-lo curioso quanto ao presente;
  • Dê a ele presentes simples também, como um desenho da sua família, uma pedrinha decorada, uma flor bonita colhida do próprio jardim, dentre outros;
  • Ensine seu filho a presentear também, sempre dando preferência a coisas que ele mesmo pode fazer.

Linguagem 5: Atos de serviço

Essa linguagem é talvez a mais difícil de entender e executar. Isso porque ela está embutida em muitos aspectos da parentalidade. Desde que nossos filhos nascem, nós automaticamente fazemos muitas coisas para eles no dia-a-dia.

Nessa linguagem do amor o que você faz conta mais do que qualquer palavra, presente, toque físico ou tempo de qualidade.

Formas de expressão como consertar a bicicleta ou costurar uma roupa nova para a boneca, demonstram à criança o quão importante ela é para você e, principalmente, que você faz de tudo para vê-la feliz e realizada.

Porém, tome muito cuidado para não confundir essa linguagem de amor com tomar para si próprio tarefas que são de responsabilidade exclusiva da criança, como arrumar o quarto ou fazer o dever de casa. Também não use essa linguagem como meio de chantagear seu filho “se você fizer o dever de casa, eu levo a bicicleta para encher o pneu”.

Características das crianças com esta linguagem

Crianças com essa linguagem do amor se sentem extremamente felizes e gratas com simples gestos de amor e carinho dos pais, como ajudá-los a fazer o dever de casa, quando os pais surpreendem-nas buscando na escola algumas vezes ao invés delas irem com a van ou quando são ajudadas pelos seus pais com pequenas tarefas.

Ao serem perguntadas se elas sentem que são amadas amadas e por quê, as crianças podem responder “sim, porque minha mãe sempre me ajuda a arrumar a minha cama” ou “sim, porque meu pai sempre leva para a escola e fica esperando eu entrar” ou ainda “sim, porque minha avó sempre costura as minhas roupas”.

Ideias para lidar com essa linguagem de amor

Se você suspeita que essa seja a linguagem do amor do seu filho, dê uma olhada nas dicas a seguir:

  • Sente-se ao lado do seu filho para lhe ajudar com os deveres de casa;
  • Ao invés de apenas mandar o seu filho ir dormir, conduza-o até a cama e com carinho o cubra para dormir;
  • De vez em quando prepare um café da manhã caprichado para a sua criança;
  • Ensine o seu filho a servir os outros também e lembre-se que você é o exemplo para ele de cortesia e cuidado com as outras pessoas;
  • Faça um jantar para seu filho com tudo que ele tem direito em uma data especial;
  • Ajude seu filho a se preparar para as provas escolares ou com trabalhos da escola que exijam habilidades manuais;
  • Ajude seu filho com pequenos favores, como consertar a sua bicicleta, encher a bola de futebol ou costurar o seu pijama favorito.

Como descobrir a linguagem do meu filho?

Descobrir a linguagem do amor do seu filho pode não ser uma tarefa tão simples e tampouco rápida. Normalmente, com os bebês nós devemos expressar sempre as cinco linguagens, pois ele necessita de todas elas para se desenvolver emocionalmente.

A medida que a criança vai crescendo você começará a notar que provavelmente uma ou duas linguagens do seu filho começarão a se destacar e que ele ficará extremamente magoado quando elas não forem utilizadas (ou se forem utilizadas de maneira incorreta).

A descoberta da linguagem do amor de seu filho é um processo e leva tempo. Crianças pequenas ainda estão começando a aprender como demonstrar e receber amor. Então, nada de afobação. Na dúvida, use todas!

Algumas dicas para descobrir a linguagem mais acentuada são: observe como seu filho expressa amor por você, pelo animalzinho da família ou pelos amigos (com abraços? com pequenos presentes? com elogios?); preste atenção ao que o seu filho pede com mais frequência (ele pede sua opinião sobre suas realizações? pede para que você veja sempre o que ele está fazendo? pede para brincar com você? pede pequenos presentes? pede pequenos favores?); observe as suas reclamações mais frequentes (reclama que você está sempre ocupado? que você nunca lhe dá nada? que você nunca o ajuda?); ofereça duas opções ao seu filho e observe qual ele mais escolhe (você prefere um brinquedo de aniversário ou que a gente faça um piquenique na beira do lago? você prefere que eu te ajude com o dever de casa ou que prepare uma comida para nós?).

Caso você ainda fique com dúvidas, faça o teste por um mês utilizando uma das linguagens que você suspeita e veja como seu filho reage à ela.

Agora que sabemos as principais linguagens do amor das crianças, podemos começar a observar nossos pequenos e a manter o tanque emocional deles sempre cheios. O livro que estudamos neste post possui muito mais informações, como disciplina e as linguagens do amor, o aprendizado e as linguagens do amor, ira e amor, linguagens quando um dos pais é ausente e um capítulo bem interessante sobre as linguagens de amor no casamento. Se você pretende se aperfeiçoar no assunto, fica a dica do link do livro aqui!

Abraços!