Desenvolvimento infantil

Grooming virtual: o que é e como proteger nossos filhos

O assunto é tenso, mas importante. Grooming é o processo pelo qual alguém prepara uma criança para o abuso sexual por meio de redes sociais e/ou outros ambientes online.

Como já discutimos no post sobre as telas e o desenvolvimento infantil (se você não viu, corre lá para ver principais dúvidas dos pais sobre esse assunto), é quase impossível privarmos nossos filhos das telas e, posteriormente, das redes sociais.

No entanto, crianças e adolescentes não possuem regulação emocional e resiliência suficientes para lidar com coisas que podem ver ou vivenciar quando expostas aos ambientes virtuais.

Saber o que significa grooming é nosso dever como pais e um passo importante para conseguirmos manter nossas crianças seguras no mundo vasto e incerto da Internet.

O que é grooming virtual e como ele ocorre?

Grooming é um termo traduzido do inglês que significa todas as ações que um adulto utiliza online para preparar uma criança (menino ou menina) para o abuso sexual.

Normalmente, o adulto que comete o grooming começa conquistando a amizade de uma criança, podendo inclusive se passar por alguém da idade dela. Depois de um tempo, já com a confiança conquistada, ele começa a pedir informações pessoais, como: nome completo, endereço, nome da escola em que ela ou ele estuda, horários em que os pais não estão em casa, e por aí vai.

Depois de colhidas as informações que precisam, eles passam a convidar a vítima para encontros virtuais e/ou presenciais.

Fotos íntimas, vídeos com atos sexuais e mais encontros podem ser pedidos, sempre acompanhados de chantagens, extorsões e abusos (tanto físicos quanto psicológicos). Em algumas leituras e estudos que fiz sobre o tema, era muito comum adultos pedirem para as crianças se masturbarem na webcam, caso contrário, eles divulgariam seus vídeos ou fotos íntimas ou feririam sua família e amigos.

Para nós, pais, é difícil imaginarmos como alguém pode colocar uma criança ou adolescente nesse tipo de situação. Dói pensarmos que pessoas se aproveitam da vulnerabilidade de nossas crianças para cometerem crimes tão graves contra elas. Porém, dados da Associação contra Pornografia Infantil de São Paulo revelam que esses indivíduos não são pessoas tão diferentes das que conhecemos no nosso dia-a-dia.

Traços mais comuns de pedófilos virtuais

Quais são as consequências do grooming virtual?

Pesquisas apontam que meninas entre 14 e 17 anos são as maiores vítimas do grooming virtual (o que não quer dizer que esse crime não seja cometido contra garotos e crianças mais novas).

AS perninhas de uma menina sentada.

Dentre as consequências emocionais, comportamentais e físicas mais comuns deste tipo de assédio infantil, temos:

  • Mudanças bruscas de comportamento;
  • Transtornos psicológicos, como o estresse pós-traumático, ansiedade, síndrome do pânico e depressão;
  • Ganho ou perda excessiva de peso;
  • Isolamento social: distanciamento da família e dos amigos;
  • Baixo desempenho escolar;
  • Apatia ou ataques de raiva e/ou choro aparentemente inexplicáveis;
  • Constante estado de atenção e ansiedade;
  • Problemas para dormir e relaxar;
  • Perda de interesse em atividades que antes a vítima adorava;
  • Baixa autoestima e sentimentos de culpa sem motivo aparente;
  • Timidez fora de controle;
  • Necessidade de estar constantemente conectado à Internet;
  • Dores físicas;
  • Vergonha do próprio corpo;
  • Comportamentos regredidos quanto à enurese e encoprese (urinar ou evacuar na roupa ou dormindo);
  • Dificuldade de memória e concentração.

A gravidade deste tipo de assédio é tão grande que muitas crianças, por medo e/ou vergonha, passam meses ou até anos sofrendo este tipo de abuso sem relatarem o ocorrido para ninguém.

Casos mais graves de grooming e pedofilia podem levar ao tráfico de crianças, bem como à produção de pornografia infantil e prostituição de menores. Não raro, as vítimas podem desenvolver traumas e transtornos psicológicos tão intensos, que levam os jovens ao extremo, como o suicídio.

Como proteger nossos filhos do grooming virtual?

Antes de mais nada, vamos entender o que os nossos filhos estão publicando na rede.

Quando compreendemos os riscos de uma criança ou um adolescente usar a Internet sem restrição de tempo e conteúdo, nós podemos começar a criar estratégias que possibilitam mantê-los em segurança.


* Você gosta do conteúdo do Canto da Isa? Assine nossa newsletter para receber conteúdos exclusivos! Nos acompanhe também nas redes sociais! Curta, comente e compartilhe com seus amigos!

**(Todas as imagens utilizadas neste post foram retiradas do site Unsplash e possuem os seus direitos respeitados).

Fontes utilizadas

COELHO, H. Delegada faz alerta sobre aumento do número de casos de pedofilia via internet no Rio: veja dicas para os pais. G1 Rio, 2017.

GOUVÊA, G. Abuso sexual: 20% dos casos contra menores têm início a partir das redes sociais. Es Hoje, 2018.

MENDOZA, M. A. Grooming: um grande risco para as crianças na Internet. We Live Security, 2016.

MORAIS, L. A. Ciberpedofilia: os crimes de pedofilia praticados através da internet. Conteúdo Jurídico, 2018.

ROCHA, M.R.F. Percepções parentais sobre o grooming online: relação entre a percepção dos educadores acerca do risco de vitimação dos educandos e a mediação parental. Dissertação (Mestrado em Criminologia) – Universidade do Porto, Porto, 2018.

RPC CURITIBA. Paraná tem mais de 500 casos de abuso sexual e aliciamento de crianças pela internet sob investigação, diz polícia. G1 PR, 2018.

TENTARDINI, C.; ROSALES, L. 80% dos crimes virtuais investigados no RS estão ligados à pedofilia. Ponte.org., 2018.

WHITTLE, H. C. et al. Victims’ voices: the impact of online grooming and sexual abuse. Universal Journal of Psychology, v. 1, n. 2, p. 59-71, 2013.

ZIDKO, E. Pais subestimam riscos da internet, diz especialista no combate à pedofilia. BBC Brasil, 2015.